#47 Os limites da tolerância

24 de abril de 2016

Fala, cabraiada! Vivemos em uma sociedade cada vez mais plural. Convivemos com diferentes crenças e descrenças, posicionamentos políticos, predileções culturais, ideológicas etc. E como em todo ambiente multicultural e diverso é comum se perceber agressões, discussões e atos de violência daqueles que divergem um do outro. Nesse sentido, fala-se em tolerância. Devemos suportar uns aos outros, vivendo harmoniosamente uns com os outros. No entanto, devemos suportar tudo? Quais os limites da tolerância? Convidamos Maria Eunice Cabral e Luciana Santos (do GraçaGirls) para exercitarmos a tolerância nesse papo pra lá de arretado! Então, deixe de leriado e dê o play!

No Balaio

Redes Sociais

Email

Mande um e-mail aí Cabra da Peste

RSS Feed

Assine o nosso feed e tenha sempre OsCabraCast com você!

Deixa de leriado e ouça aí

Download da versão zipada, aqui.

Créditos

A edição ficou por conta de Ivandro Menezes.
A vitrine deste episódio é de Rafa Souza.
Vinhetas criadas por Ariel Jaeger.
O tema de abertura é a música Cangaço da banda paraibana Cabruêra.

Faça seu comentário Cabra da Peste


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

7 comments on “#47 Os limites da tolerância

  1. Fala cabraiada!!!

    Manos, gostei bastante da primeira parte da conversa, das definições, das abstrações e provocações.
    Ainda assim, minha impressão foi de que o viés de análise ficou muito preso à facebook. Ok, entendo que possa ser um espelho representativo da realidade, mas nesta discussão fica imensamente complicado dimensionar alguns aspectos. Com exceção de uma ou outra pontuação de Ivandro, ficou faltando ao papo abordar o campo no qual se dá a interação que provoca as delimitações (ou não) de tolerância.
    Sabe, NOSSO discurso, enquanto cristãos é lindo demais, porém convidar pra sentar à mesa a puta ou sentar com os maconheiros da faculdade na hora do intervalo, ou trocar ideia com aquele cara que fala palavrão a cada duas palavras é BEEEEM mais complicado.

    Enfim… fico feliz pela introdução ao tema feita por vcs, mas uma reflexão sobre práticas talvez, e somente talvez, provocasse o ouvinte a sair do lugar comum e ir além de “suportar” o outro.

    Bjos!

    • Lourival Gonçalves abr 29, 2016

      A palavra suportar,bem colocada entres aspas,tem muitas vezes um teor pejorativo e demostra que aquele que suporta é hipócrita ,mas penso que o suportar abre espaço pra possibilidade do sentar junto e conversar que você falou Abner.Vejamos o que a bíblia fala sobre isso no contexto em que vivenciamos e muitas vezes erramos:
      “Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou”- Colossenses 3:13
      Realmente,tudo sempre parecerá muito lindo no discurso,mas somos convidados a “suportar” e PERDOAR.Não é uma realidade que está longe de nossas igrejas e não estamos sabendo lidar com isso,quanto mais fora dela.
      “SUPORTAI-VOS uns aos outros” – porque o amor tudo suporta! I Co 13:7.Aqui mais um convite para suportamos.Alguém acha que Deus não nos suportou e por isso nos amou?Pode parecer que existe uma tensão aqui,mas o foco é a misericórdia.
      A benignidade do Senhor jamais acaba, as suas misericórdias não têm fim
      Lamentações 3:22
      O Suportar parece ser um dos meios de não consumir o outro e a nós mesmos. “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo”- Efésios 4:32.
      Um dos versículos que sempre me chamava atenção e me direcionava a questão de mudar o quadro crítico em certo momento, e que as vezes vai depender de nós em face de uma situação nada pacífica ,veja:
      Se for possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens.
      Pareci meio otimista no uso do termo,mas se olharmos por essa ótica ,exercer a tolerância,o suportar nos dará a oportunidade de transformação,mesmo que muitos não mudarão.Lógico,não cabe somente a você,mas que tal começa por nós?
      Não estou citando nada utópico,mas o que a bíblia nos mostra.As inúmeras igrejas em que Paulo dirigiu e fundou ,eram igrejas com alguns complicadores,mas nem por isso não os incentivou ao perdão.
      Quero terminar citando um texto que gosto muito que irá exemplificar um pouco mais sobre isso,vejamos:
      Suplico a Evódia e a Síntique que restabeleçam a boa convivência no Senhor. (Fil. 4:2).Bíblia King James Atualizada.
      Parabéns pelo ótimo Podcast.

      Obs.:Alguns colocam ou interpretam a palavra suportar no contexto das passagens como aquele que serve de apoio,não sei se caberia nos versículos acima.

  2. Eduardo Urias abr 26, 2016

    Fala aí cabraiada!!!!
    Que assunto massa! Quando comecei a ouvir, dei uma pausa para refletir um pouco sobre o que eu entendia sobre o assunto, para depois voltar a dar o play! De fato há muitas coisas que dá para tolerar. E o limite do que é tolerável acaba sendo individual.
    Porém concordo que para o cristão verdadeiro, não deve haver tolerância para heresias, afinal estamos nos referindo a Deus. Entretanto, na hora de usar da apologética, devemos sempre ter em mente o que a bíblia diz sobre a defesa da razão da nossa fé, que deve ser com mansidão e respeito (1Pe 3.15-16).
    Algo que testa muitas pessoas sobre essa questão de tolerância, é a política. Vemos os ânimos bastante acirrados, quando o assunto é esse. Onde amigos de longas datas, chegam a trocar farpas muito ofensivas em defesa das suas opiniões.
    Também a questão de ideologias geram muitos desentendimentos, como citado no podcast sobre a postagem a respeito do feminismo.
    Concordo que devemos usar de empatia e respeito, embora em algumas vezes, isso seja difícil de aplicar.
    O podcast citado, dos Mamilos, tem me ajudado a rever alguns pontos que eu discordava, mostrando sempre outro lado da moeda. Embora eu continue discordando de muitas coisas abordadas lá, mas pelo menos reflito e chego com argumentos (não sei se são válidos. rsrsrsr).
    Interessante que esse podcast tem uma ponte estreita com o podcast do Achando Graça, sobre “ativismo virtual”. Muito legal quando isso acontece. A podosfera é bem articulada. hehehe
    Enfim, virtualmente minha tolerância é muito grande, pois prefiro defender meus pontos de vistas pessoalmente. Consigo viver, lendo as postagens dos meus amigos. kkkkkkkkkkkkkkk

  3. jordan Arley abr 27, 2016

    Ola Ivandro,
    Bom amigo eu tenho ouvido diversos episódios dos cabras e de outros podcasts e tenho ficado preocupado com certos comentaristas que mostram em sua cosmovisão e argumentação muitas vezes manchadas com ideologias como marxismo, humanismo, feminismo, machismo e liberalismo e outras tantas ideologias mais. Tenho estudado sobre cosmovisão e percebo que muitas vezes essas mesmas pessoas não conseguem ver o víeis tendencioso de sua argumentação. Acredito que não percebem que isso acontece pelos termos no “uso comum” que fogem ao significado real (do dicionário e ideológico filosófico) na sua criação . Um dos exemplos que podemos usar fácil é nesses questões como feminismo no meio cristão. Temos que ver o que a pessoa tem como “feminismo”. Porque uma coisa é a ideologia feminista e outra é o que as ditas cristãs dizem o que é feminismo evangélico. Acho que falta as vezes informação sobre a ideologia defendida. Nisso digo, bases histórica filosóficas, seu desenvolvimento na história, e principalmente se contradiz as doutrinas bíblicas. Tenho ficado preocupado, pelo fato de que se nos dizemos cristãos e produzimos conteúdo, ele precisa ser confrontado com a palavra de Deus. Vejo uma falta de conhecimento bíblico teológico tremendo em algumas pessoas que são convidadas a participar de assuntos que podem moldar a vida de outras pessoas de maneira errada. Sei que há certa liberdade de ação e pensamento, mas essa liberdade é cativa a o que a escritura menciona sobre aquele tema. Em em diversos desses debates em muitos podcasts vejo tudo sendo mencionado, menos a bíblia, Eu peco como todos, estou longe de ser perfeito (só eu sei o quanto peco). Mas se a escritura é regra de fé e prática, ela é presença obrigatória em nossa elaboração argumentativa. Se não levarmos nossas idéias a luz da escrituras e abandonar as mesmas se confrontam a escritura, não amamos as mesmas, amamos a nós mesmos. Porque somo nosso próprio ídolo.

  4. Fala cabras! Tolerância é algo que tenho aplicado muito com algumas pessoas. Tem que ter muito amor para suportar. Mas, como Jesus disse para amar, temos que amar, certo? Obviamente as vezes confundimos tolerar com omitir. Omissão não ajuda em nada, mas entendo que tolerar compreende “avisar” a pessoa sobre seus defeitos e ter paciência, tolerando isso, até que a pessoa amadureça. Isso pode demorar, ou não. É preciso amar. hehehe

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

  5. Silas da Silva Santos maio 14, 2016

    Olá! Gostei bastante do tema… fiquei pensando por horas sobre tolerância. O que o Abner escreveu aí em cima sobre o tema não ser tão bem explorado e em alguns momentos se restringindo a redes sociais e cristão, realmente ficou bem perceptivo. Porém, o levantamento do assunto foi (e é) muito relevante pois nos faz refletir até onde podemos tolerar algo (enquanto ideia e não pessoa). Acho que esse foi um dos pontos chave da discussão. Parabéns! Gostei muito.

    Recentemente li “Homens e Ratos” de John Steinbeck, e pude relembrar o quanto que George, um dos personagens principais, usa de tolerância praticamente todo o tempo, frente as ações de seu companheiro de viagens Lennie, que apesar de ser uma pessoa de bom coração não tem noção do impacto de suas atitudes na vida em sociedade. O filme não fala especificamente e objetivamente de tolerância, mas analisando à partir deste ponto de vista faz bastante sentido. É um livro fantástico e fica aqui a recomendação. Quem não quiser ler, pode ver o filme de 1992 (de mesmo nome) dirigido, produzido e interpretado por Gary Sinise (que fez o capitão Dan em Forest Gump) e o talentosíssimo John Malkovich que dispensa apresentações; a adaptação está bem fiel ao livro, afinal houveram uns pequenos cortes, mas as falas essenciais estão lá! Deixo aqui minha recomendação. Um forte abraço e obrigado pelo trabalho.

OsCabraCast © 2015